Bertrand Editora, Livros, Opinião

O Lar da Senhora Peregrine para Crianças Peculiares (Miss Peregrine’s Peculiar Children #1) – Ransom Riggs [Opinião]

image-8Edição/reimpressão: 2016

Editor: Bertrand Editora

ISBN: 9789722532372

Classificação: 3,5 em 5 estrelas

Sinopse: “Uma ilha misteriosa. Uma casa abandonada. Uma estranha coleção de fotografias peculiares. Uma terrível tragédia familiar leva Jacob, um jovem de dezasseis anos, a uma ilha remota na costa do País de Gales, onde encontra as ruínas do lar para crianças peculiares, criado pela senhora Peregrine. Ao explorar os quartos e corredores abandonados, apercebe-se de que as crianças do lar eram mais do que apenas peculiares; podiam também ser perigosas. É possível que tivessem sido mantidas enclausuradas numa ilha quase deserta por um bom motivo. E, por incrível que pareça, podem ainda estar vivas…

Um romance arrepiante, ilustrado com fantasmagóricas fotografias vintage, que fará as delícias de adultos, jovens e todos aqueles que apreciam o suspense.”

Opinião: Eu esperava gostar muito mais deste livro do que gostei. Eu tinha imensas expectativas para este livro. Ouvi mil maravilhas deste livro, das pessoas que costumo seguir as opiniões quase nenhuma fez crítica negativa, e por isso tinha as expectativas bem altas. A capa fez-me ficar ainda mais curiosa com o livro, e acabou por ser mais uma coisa que fez aumentar as minhas expectativas. Mas, não gostei tanto como queria e esperava.

17494046_309453372806086_4625865247364743168_nBem, vamos começar pelo princípio. Ao ínicio estava a gostar da história, sério, foi a única parte do livro que eu gostei. De resto, houve uma certa parte em que o livro parece que deixou de fazer sentido, ou até mesmo que o escritor pretendia fazer história à força. As personagens nenhuma chamou a minha atenção, pareciam mal planeadas. Sei que o livro devido a falar-se de uma tema incomum pode parecer ter personagens muito bem delineadas, mas não foi isso que senti. Mas, em outro ponto, tem pequenas partes que há ali uma pequena luz que faz-nos ter esperanças, parece que finalmente vai começar a fazer sentido, mas depois volta tudo ao mesmo.

Se pensei em desistir do livro? Pensei, várias vezes. Mas não sou de ficar a meio de um livro, gosto de o ler até ao fim mesmo sem gostar. E acreditem, fiz um enorme esforço para gostar deste livro. E sei que não gostei do livro porque não fiz nenhuma marcação, não vi nada que me fizesse querer guardar para sempre na minha memória, nem mesmo uma única citação! As citações que tenho deste livro foram que fui buscar à Internet e mesmo assim não gosto muito delas!

Quanto às personagens, é assim, eu sei que as personagens tinham por volta dos dezasseis anos, falando apenas nas crianças. Mas, a maneira como elas agiam, parecia demasiado infantil. São crianças sim, e algumas delas muito adultas, mas há limites. Para mim a personagem princiapl era muito infantil. Sim, estava em trauma, sim ok. Mas mesmo assim? Muitas das suas atitudes não se justificavam. Queria saber que realmente tinha acontecido, eu entendo, mas podia ter sido uma personagem muito melhor delineada.

“Às vezes, tudo o que você precisa fazer é cruzar uma porta.”

E agora falemos do que me fez mais confusão. O que os pais fazem nesta história? Nada. Eles tentam ter um papel, mas na verdade o escritor só lá colocou os pais porque o rapaz precisava de uns pais para a história parecer bonita. O que vemos durante a histório são pais irresponsáveis, que fingem querem saber do filho, mas não se importam. Levam-no 17333839_1004710116327235_6266290266194313216_npara uma ilha desconhecida, deixam ele andar numa ilha desconhecida com gente desconhecida, e muitas das vezes por lugares sombrios sozinhos. O que eles queriam obter com estes pais? Fácil. Queria que o rapaz para além de ter sofrido o trauma querem que ele tenha uns pais que não querem saber dele, e assim ele tem mais uma fonte de revolta e raiva.

E isto é mais um limite da ficção. Os pais precisam ter um papel fundamentaal no livro quando aparecem. Pais irresponsáveis existem sim, mas se mostram isso em todos os livros, parece que o livro não mostra credibilidade. Vmaos começar a mudar isso? Não é necessário acontecer o mesmo em todos os livros.

E foi isto que achei do livro. É uma opinião diferente do que estou habituada a fazer. Tenho muitas críticas e tentem abordá-las todas, mas faltam-me palavras honestamente. Vou querer ler os outros livros da trilogia, e porquê? Tenho esperança que a história melhore. Se bem, que para mim este filme e trilogia, poderia muito bem ter ficado apenas com o primeiro livro.

Anúncios

2 thoughts on “O Lar da Senhora Peregrine para Crianças Peculiares (Miss Peregrine’s Peculiar Children #1) – Ransom Riggs [Opinião]”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s